RUI SILVA E A MISSÃO «DIFÍCIL MAS NÃO IMPOSSÍVEL» DAS SUB-16


Fotos: WEVZA

A Selecção Nacional de Sub-16 Femininos vai disputar, entre 6 e 8 de Maio em Maribor, na Eslovénia, a Pool E da 2.ª Ronda da Fase de Qualificação para o Campeonato da Europa da categoria, que apura directamente a vencedora para a fase final da prova.
Na Eslovénia, a jovem turma das quinas, orientada por por Rui Pedro Silva, vai defrontar a Eslovénia, a Turquia e a Áustria. Até à competição, o grupo de trabalho mantém os treinos regulares na Escola Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto.

No Torneio WEVZA da 1.ª Ronda, realizado na localidade italiana de Chiavenna, as portuguesas classificaram-se no 3.º lugar e tiveram em evidência a jogadora Leonor Coelho, tendo vencido a Holanda e a Alemanha.

Apuram-se para a fase final do Europeu de Sub-16 femininos seis selecções: as vencedoras das cinco pools e a melhor segunda classificada da 2.ª Ronda de Qualificação. Ver composição das Pools aqui.

Rui Pedro Silva está ciente da dificuldade que a missão acarreta, mas não esconde a ambição das guerreiras lusitanas:
O nosso principal objectivo é o que as quatro selecções ambicionam: garantir o primeiro lugar, que é o único que dá acesso à fase final do Campeonato da Europa. Será muito difícil, mas não impossível. Por isso, temos de trabalhar mais e melhor para nos apresentarmos com mais consistência e qualidade de jogo face às fortes selecções que vamos defrontar. Além deste objectivo, também temos um outro, que já garantimos e que diz respeito a mais uma experiência internacional, o que ajuda e muito este grupo de atletas na sua melhor adaptação e evolução nestes contextos onde o grau de dificuldade exige mais de cada um de nós“.

Num grupo com Áustria, Eslovénia e Turquia, o que se pode esperar da forma de jogar de cada um destes adversários e qual o (à primeira vista) mais forte?
Ainda não temos material suficiente de cada um dos nossos adversários, mas, do pouco que já vi, a Turquia será a selecção mais forte, até pela tradição que tem nestes escalões. É de relembrar que a Turquia é a actual campeã da Europa de Sub-16. São selecções altas, com bom bloco e bom ataque, em especial de zona 4, sofrendo um pouco na recepção“.

Quais foram os principais argumentos apresentados pela nossa Selecção em Chiavenna e a comparação com o nível das selecções presentes na competição?
Onde podemos discutir e talvez sermos superiores em relação às restantes seleções, será no primeiro toque (serviço, recepção e defesa). Se estivermos consistentes e com boa qualidade nestes três procedimentos técnico-tácticos, creio que conseguiremos disputar os jogos de igual para igual e estarmos mais perto da vitória“.

Por outro lado, quais as arestas a limar para a equipa se poder apresentar em pleno em Maribor?
Fizemos uma avaliação e temos de melhorar em muitas situações do jogo, a começar pela agressividade, objectividade e consistência do serviço. Temos de ter um jogo mais rápido nas pontas para não termos de enfrentar constantemente o bloco duplo bem definido da selecção adversária. Estamos a trabalhar muito para que as centrais estejam mais envolvidas no jogo ofensivo e para que as nossas pontas/opostas usem mais recursos e diminuam o número de erros no ataque. Outro factor determinante é a mentalidade com que devemos encarar estes jogos: humildes, concentradas, competentes, ambiciosas, guerreiras e confiantes“.

Convocadas

AA S. Mamede
Mariana Almeida

AJM/FC Porto
Ema Torres
Mariana Marques
Maria João Peres

Boavista FC
Rita Benídeo
Francisca Guedes

Castêlo da Maia GC
Inês Campos
Luna Nunes

GC Vilacondense
Lia Forman

Leixões SC
Francisca Pelicano Ferreira
Beatriz Cerveira

SC Braga
Leonor Coelho

VC Viana
Maria Amaral

Madeira Torres
Marta Aleixo

Sintra Vólei
Matilde Quitério Ferreira

Mais informações na CEV e em www.wevza.com

Partilhar: