UM CLÁSSICO BENFICA x SPORTING NA FINAL DA TAÇA DE PORTUGAL

Fotos: Jorge Cabral

SL Benfica e Sporting CP defrontam-se amanhã (16h00) na final da Taça de Portugal – masculinos, a disputar no Pavilhão Municipal de Santo Tirso, com transmissão em directo na Sport TV.

Leixões SC x Sporting CP, 0-3 (11-25, 18-25 e 18-25)

1.º Set
Entrada de leão (3-0) e resposta pronta, através de um serviço de André Rosa, do Leixões SC (3-2).
Nova aceleração no jogo de ataque da equipa de Gerson Amorim e novo distanciamento pontual (10-5), num ataque concretizado por Paulo Victor, a obrigar o técnico João Pedro Vieira a reunir com os jogadores matosinhenses.
Mas a situação não se alterou (13-5) e o Leixões SC começou a perder terreno: 16-6, concretizado através de um bloco de Renan Purificação.
À entrada para a recta final do parcial, a diferença continuava a ser de 10 pontos (20-10), pelo que foi com naturalidade que a formação leonina selou o set com o resultado desnivelado de 25-11 através de um bloco do distribuidor Bruno Alves.

2.º Set
Início equilibrado (2-2) e chegada à liderança do marcador (6-5), através de um ataque de Alexandre Pereira, logo seguido de um bloco e de um serviço directo de Marcus Borlini.
O Sporting CP deu a volta à situação com dois blocos de Éder Kock (11-8), mas a equipa capitaneada por Bruno Sousa não deitou a toalha ao chão e chegou novamente à igualdade com um serviço de Phelps Martins (13-13).
O braço-de-ferro manteve-se, com a aguerrida formação leixonense a festejar todos os pontos com enorme efusividade (17-17).
Em desvantagem num momento crucial (18-21), João Pedro Vieira pediu tempo para dar novo fôlego ao Leixões SC. Contudo, a defesa alta leonina manteve-se inultrapassável e o Sporting CP fechou o set com novo triunfo; 25-18.

3.º Set
Com André Rosa no serviço, o Leixões SC adiantou-se no marcador (3-1) e procurou manter a liderança (7-5), mas Éder Kock mostrava-se intransponível no bloco e os sportinguistas ganharam motivação e vantagem (10-7).
Fiéis à sua garra matosinhense, os pupilos de João Pedro Vieira voltaram à carga, pressionando com um serviço mais agressivo e arriscado (16-15).
Nova igualdade (16-16) conseguida com um bloco de Éder Kock/Robinson Dvoranen.
A partir daí, o Sporting dominou completamente as operações, carimbando o bilhete para a final da Taça de Portugal: 25-18.

Paulo Silva (Sporting CP), com 16 pontos, e Marcus Borlini (Leixões SC), com 14, cotaram-se como os melhores pontuadores das respectivas equipas.

João Pedro Vieira, Treinador do Leixões SC:
A nossa entrada foi muito apática, sem capacidade de pressionar o Sporting, e o nosso bloco tardou em perceber o ritmo do jogo.
A partir do segundo set, conseguimos entrar no jogo, com um serviço pressionante e uma defesa agressiva. No terceiro set, a nossa postura foi semelhante, mas depois quebrámos, sobretudo por causa de uma boa marcação do bloco do Sporting.
Ontem fiquei satisfeito, pois realizámos um grande jogo; hoje não porque queria estar na final“.

Gerson Amorim, Treinador do Sporting CP:
Estávamos à espera que o Leixões SC apresentasse uma atitude bem aguerrida, como a que evidenciou ontem, quando fez um excelente jogo frente ao Viana.
Entrámos a tentar servir bem e conseguimos ser felizes nessa estratégia, qualificando-nos para a final. Tenho a felicidade de ter dois bons distribuidores e o Bruno Alves hoje cumpriu bem a estratégia que lhe era pedida, conseguindo fazer três blocos e travar o ataque do Leixões.
Agora vamos tentar vencer a final e erguer a taça“.

Miguel Maia, Capitão leonino:
Estávamos avisados depois da vitória do Leixões frente ao Viana e começámos da melhor maneira o jogo, não dando hipóteses ao nosso adversário. Depois, com a garra que se lhes conhece e com a qualidade que tem este distribuidor, eles conseguiram ter momentos muito bons e criar-nos dificuldades. Contudo, acabámos por ser superiores nas alturas cruciais, sobretudo devido à eficácia do nosso bloco.
Objectivo cumprido: estamos na final para vencer”.

Informações sobre este jogo: estatística aqui

SL Benfica x AJF Bastardo, 3-1 (27-25, 25-17, 22-25 e 25-15)

1.º Set
Começo de jogo com um ritmo acelerado, com os dois ataques a conseguirem sobrepor-se à defesa alta, o que motivava uma alternância na liderança do marcador. Contudo, ao arriscarem tudo, as equipas também cometiam erros, sobretudo no serviço (5-5).
O SL Benfica adiantou-se (7-5) através de ataque ao primeiro toque de André Aleixo. A pressão que os encarnados faziam com o serviço ficou bem patente nos dois pontos consecutivos (10-6) que adiantaram a equipa: primeiro num ataque ao primeiro toque de Tiago Violas e o segundo num serviço directo de
Peter Wohlfahrstatter.
A equipa orientada por Marcel Matz conseguiu conservar essa diferença ao longo do set (15-11) e mesmo dar-lhe um volume maior (18-13).
A AJF Bastardo sentiu o perigo e mostrou-se mais agressiva no ataque e na defesa alta, sendo recompensada com a redução da distância pontual (18-16).
O SL Benfica respondeu à altura e Flávio Soares (Zelão), com um bloco, recuperou a diferença de cinco pontos (21-17).
A resposta dos açorianos não tardou: três blocos consecutivos reaproximaram a AJF Bastardo (22-23) e dois erros no ataque encarnado catapultaram-na para a liderança do marcador (24-23).
Zelão igualou (24-24), mas André Aleixo falhou o serviço… Bruno Cunha fez o mesmo. Os nervos imperavam e isso tornou-se evidente quando o SL Benfica fez o 26-25, um ponto muito contestado pelos açorianos.
Com um bloco, Peter Wohlfahrstatter fixou o resultado em 27-25.

2.º Set
O SL Benfica entrou de rompante no segundo set, com Theo Lopes a facturar no ataque e serviço (4-1).
Um serviço potente de Peter Wohlfahrstatter, e mal recepcionado, possibilitou a Tiago Violas atacar ao primeiro toque (8-3).
A reacção da formação orientada por João Coelho equilibrou a contenda (13-11, 16-14), mas os ataques de Theo,  Raphael Oliveira e André Aleixo deram a volta ao jogo (21-16).
Um bloco triplo e um serviço directo de Rapha acabaram com as esperanças da equipa açoriana (24-16) e o SL Benfica selou novo triunfo: 25-17, com um ataque de André Aleixo.

3.º Set
Início equilibrado, mas sempre com pendor para o lado da equipa insular (7-5, 10-7).
A reacção benfiquista surtiu efeito e Rapha igualou, com um bloco, aos 11 pontos. Antony Gonçalves respondeu na mesma moeda e adiantou novamente a AJF Bastardo, que fez o 14-11 e motivou um toque a reunir por parte do treinador benfiquista.
Um serviço directo de Caíque Silva engordou a diferença para quatro pontos (15-11). Um «ás» de Bruno Jesus, seguido de um bloco, colocaram o SL Benfica a seis pontos de distância (18-12).
Recuperação dos encarnados (19-21) a deixar tudo em aberto… mas o capitão Caíque a voltar a  galvanizar a sua equipa (23-19) rumo ao triunfo por 25-22.

4.º Set
O SL Benfica voltou a entrar em força e Rapha Oliveira, com um amorti, distanciou a sua equipa (5-1).
Paulatinamente, a AJF Bastardo foi conseguindo esbater a diferença, mas quando se aproximou em demasia, o SL Benfica logrou concretizar dois pontos consecutivos (14-10). Um ataque da autoria de Theo aumentou a distância (16-11)… e Rapha dilatou-a ainda mais (19-13).
Um bloco de Zelão, seguido de um serviço directo de Peter Wohlfahrstatter,  foi o toque final (22-14).
Vitória do SL Benfica por 25-15 e presença na final para defender o troféu da Taça de Portugal.

Theo Lopes (SL Benfica), com 26 pontos, e Caíque Silva (AJF Bastardo), com 17, foram os melhores pontuadores das respectivas equipas.

João Coelho, Treinador da AJF Bastardo:
“Entrámos bem nos momentos iniciais, mas sofremos com a agressividade dos serviços do SL Benfica. Cometemos muitos erros quando arriscámos para pressionar. Tivemos uma recuperação fantástica , mas acusámos o toque de não conseguirmos fechar o set e ressentimo-nos no parcial seguinte por termos deixado fugir essa hipótese.
Precisamos de ser mais resilientes neste tipo de jogos. O nosso adversário foi inteligente porque soube ser mais paciente. Podíamos ter feito melhor porque temos capacidade para nivelar sempre neste tipo de jogos e não apenas equilibrarmos aos repelões.
Não estivemos ao nosso nível, mas isso aconteceu por mérito de um adversário que tem uma equipa experiente e com grandes valores”.

Marcel Matz, Treinador do SL Benfica:
“Este era um jogo-chave para nós, porque temos um play-off complicado pela frente e se sofrêssemos uma terceira derrota às mãos do mesmo adversário (o que nunca aconteceu comigo na mesma época), seria aborrecido para nós.
Mas a taça ainda não é nossa. Amanhã temos um clássico e temos de suar para vencer. O estudo do adversário está pronto; agora  vamos descansar para estarmos preparados para lutar pela vitória”.

Informações sobre este jogo: estatística aqui

A pandemia de Covid-19 obrigou a que fossem aplicadas medidas que limitam o número de pessoas presentes em eventos desportivos e condicionou o contacto entre os representantes da Comunicação Social e o Departamento de Informação da FPV.

Assim, e no sentido de facilitar o trabalho dos jornalistas na cobertura da Taça de Portugal 2021 de seniores masculinos, disponibilizamos aqui informações mais detalhadas sobre as equipas em competição, que poderá ser seguida através do(s) site(s) https://fpv-web.dataproject.com/MainHome.aspx / https://fpvoleibol.pt/fpv/competicoes/taca-de-portugal-2021/ / na Volei TV (Sexta-feira: jogos no Pav. Mun. Santo Tirso) e na Sport TV (Sábado e Domingo).

Regulamento para a Retoma da Prática Competitiva aqui

Parte mais específica para jornalistas aqui

A acreditação dos jornalistas que solicitaram credenciais é efectuada à entrada para o pavilhão.

Taça de masculinos – Final 8 (plantéis – detalhados)

AA S. Mamede / SL BenficaAA Espinho / Leixões SC /
AJF Bastardo / Sporting CP / Viana VC / SC Caldas

 

Resultados dos oitavos-de-final 

SC Espinho x SL Benfica, 0-3 (20-25, 18-25 e 17-25)
C. Condeixa x VC Viana/Casa Peixoto, 0-3 (19-25, 16-25e 18-25)
AA S. Mamede x CN Ginástica, 3-0 (25-18, 26-24 e 25-23)
Castêlo da Maia GC x Leixões SC, 1-3 (26/28, 25/27, 25/22 e 18/25)
Vitória SC x Sporting CP, 0-3 (20-25, 20-25 e 20-25)
Esmoriz GC x AJ Fonte do Bastardo, 1-3 (25-23, 20-25, 22-25 e 16-25)
Ala Nun’Álvares de Gondomar x SC Caldas, 1-3 (25-19, 17-25, 21-25 e 17-25)
AA Espinho x CS Marítimo**
** Não se realizou: apurada a AA Espinho (decisão em 11.02.2021)

Todos os resultados em https://fpv-web.dataproject.com/MainHome.aspx / Histórico aqui

Em 2020 não houve vencedor da Taça de Portugal, devido à pandemia de COVID-19 (ver notícia), mas em 2019, a equipa de seniores masculinos do SL Benfica ergueu o seu 18.º troféu de vencedor da Taça de Portugal ao vencer, por 3-1 (26-28, 25-16,25-22 e 25-20), a AJ Fonte do Bastardo, na final disputada no Multiusos de Sines.

O SL Benfica é a equipa com mais títulos conquistados (18) na prova, o primeiro em 1965/1966 e o último em 2018/2019, tendo erguido o troféu por seis vezes nas últimas onze finais.
O SC Espinho é o segundo clube com maior número de taças (12). Foi o primeiro vencedor da competição, em 1964/1965, e detém o recorde de maior número de taças conquistadas consecutivamente (6), entre a época de 1995/1996 e de 2000/2001.

Em 55 edições: SL Benfica (18), SC Espinho (12), C. Maia GC e FC Porto (6), Leixões SC (5), Sporting CP (3) e AJF Bastardo, Vitória SC, Esmoriz GC, ISEF e IS Técnico.

Resultados das últimas 13 finais
2019 – SL Benfica x AJF Bastardo, 3-1
2018 – SL Benfica x Castêlo da Maia GC, 3-1
2017 – SC Espinho x SL Benfica, 3-0
2016 – SL Benfica x AJF Bastardo, 3-1
2015 – SL Benfica x SC Espinho, 3-0
2104 – Castelo da Maia GC x AJF Bastardo, 3-2
2013 – AJF Bastardo x Vitória SC, 3-0
2012 – SL Benfica x AA Espinho, 3-1
2011 – SL Benfica x SC Espinho, 3-0
2010 – Castelo da Maia GC x SL Benfica, 3-1
2009 – Vitória SC x SC Espinho, 3-2
2008 – SC Espinho x Vitória SC, 3-0
2007 – SL Benfica x Castelo da Maia GC, 3-0

Partilhar: